RSS

Enquanto se Espera

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Há, sim senhor!

Há um Portugal sério, um Portugal que trabalha, que estuda; curioso, atento e honrado! Há um Portugal verdadeiro que não perde o seu tempo com inimigos fantásticos e cujo único desejo é apenas e grandemente ser Ele próprio! Há um Portugal, o único que deve haver e que afinal é o único que não anda por causa dos vários Portugais inventados de todos os lados de Portugal! Há um Portugal profissionalista, civil e insubornável! Há, sim senhores! Mas entretanto...
Entretanto, a nossa querida terra está cheia de manhosos, de manhosos e de manhosos, e de mais manhosos. E numa terra de manhosos não se pode chegar senão a falsos prestígios. É o que há mais agora por aí em Portugal: os falsos prestígios.
E vai-se dizer de quem é a culpa de haver manhosos e falsos prestígios: a culpa é nossa, e só nossa!

José de Almada Negreiros In Diário de Lisboa
de 3 de Novembro de 19
33

*


Um banco


Há quem diga que apesar da actual crise financeira ainda o melhor negócio e o mais seguro é a fundação de um banco. Acredito!


18 comentários:

L.S. Alves disse...

Essa matéria poderia ter saido no jornal de ontem por aqui. Era só trocar a palavra Portugal pela palavra Brasil.
Um abraço Carlos.

Teté disse...

As palavras de Almada Negreiros são tão actuais, que chegam a ser arrepiantes! Mainada!

Jinhos!

Roderick disse...

Mundo lusófono no seu melhor

Carlos II disse...

Alves,

Um escândalo o que está a acontecer na banca privada.
Os administradores de um dos maiores bancos privados o BCP (Millenium)a envolverem-se em guerras internas com os principais accionistas. O mais recente caso no BPN (Banco Português de Negócios)onde o seu presidente foi detido, quase atirou o banco à falência.
Agora, o Estado, (nós os contribuintes)prepara-se para injectar dinheiro nos dois bancos, sendo que o último vai ser nacionalizado.
Isto para não falar na súbita riqueza de administradores que transitaram da política, oriunda do bloco central - O Sistema do Poder - constituído pelos dois partidos que mais tempo têm estado no poder, PS e PSD.
Eis o panorama.

Teté
É impressionante a actualidade deste texto do Almada, que é mais completo. Não quis desenvolver mais.

Roderick
Do Brasil também nos chegam notícias de vez em quando, sobre esta promiscuidade existente entre política e o mundo financeiro.

Abraços

Laura disse...

Exacto...Ora nem mais, o Almada Negreiros sabia o que dizia, e é válido nos dias de hoje, como o foi nos dias de ontem!...manhosos, eu daria outro nome mais sonante aos sacanas que nos andam a desviar os euros pró bolso deles, ladrões e mais nada...A culpa é nossa sim snehora meu querido almada Negreiros, é toda nossa, mais dos homens, já que as mulheres são sempre aconselhadas a ficar em casa a cerzir meias!...

Prá frente homens, endireitar a nossa terra!... Beijinho da laura.

Laura disse...

Ah, um banco desses também eu queria que os de ter dinheiro nem é seguro, acho que o melhor é voltar ao colchão de palha e esconder lá tudinho...Deve ser uma delicia fazer amor, à falta de outras palavras,mas sexo é o que é mais e é demasiado vulgar... numa cama recheada de milhares de euros...nánaninaná, não tenho nada debaixo do colchão ehhhhhh...

mas que sensação quando acaba, deve ser algum orgasmo triplex. Olha o meu comportamento e descaramento, é a primeira vez que escrevo essa palavra sem ter receio que me julguem...fogo. Beijinho.

Rafeiro Perfumado disse...

Eu acredito no Almada Negreiros, esse Portugal existe. Infelizmente a população emigrou para parte incerta. Abraço, bom Natal!

Roderick disse...

Numa cama recheada de euros?
Depois, com os fluidos, as notas ficavam uma miséria!!!!

E é verdade. Esse Portugal existe. Só que partiu para parte incerta com os nossos emigrantes...

Pascoalita disse...

Pois é ...

Texto actualíssimo! O que quer dizer que nesse entretanto passou um século e está tudo na mesma como a lesma (eu diria até bem pior)

Ainda acredito que haja por aí um pouco desse portugal, mas o desalento já é tanto que só um trovão bem forte o tira do marasmo em que se encontra.

jinhos

Diabinha Cusca disse...

Caramba! Vinha tirar a limpo uma história para elucidar a pascoalita e que tem a ver com a origem do teu trono real, mas até fico acabrunhada em interromper um assunto sério ...

És o D. Carlos rei Ibérico ou o da terra do tio Sam? Pronto, já perguntei !!!

dentadinhas

Opps! Sorry calhar tinha de me despedir com uma vénia

Diabinha Cusca disse...

Caramba! A minha madrinha tem cá uma imaginação ...

Mas ... será como ela diz? Tenho de procurar depressa um tipo com um colchão bem recheado!!!

Carlos II disse...

Ó Cusca,

Não tenho nada a ver com Castela e nem se quer com Isabel de Inglaterra.

Segundo rezam as crónicas, sou oriundo de uma casta marafada de sangue azul (Estombar-Algarve) junto à estação com guitarra-a-tiracolo.

Meu pai, D.Carlos I foi um empresário de sucesso. Foi o criador das torradas com manteiga cuja fábrica "A Real Fábrica" faliu com falta de trocos.

Morreu cedo. Atropelado em Ferragudo quando pescava à linha.

Eu sou monarca absoluto e impoluto, segundo da linhagem. Adepto de sexo sem reservas de caça e do Benfica que só é pena ser vermelho. Mas antigamente filiei-me porque, a tv era a preto e branco e sempre disfarçava um pouco.

Eis aqui em traços largos e finos as minhas origens.

Esclarecida?

Beijinhos

Laura disse...

Já mataste o teu pai de novo? atropelado a pescar à linha? Hum, nã me parece!...

Carlos II disse...

Laura,

Acredita eu não digo a verdade.

jinhos do Dom Carlos II rei daqui e dalém.

Roderick disse...

Isto de sangue azul tem muito que se diga!!!

Laura disse...

E dacolá!

Laura disse...

Inda não és galego pois nã? Bem!...

Roderick disse...

Passo para te desejar um Bom Natal, com muitas prendinhas