RSS

Lisboa

quinta-feira, 14 de junho de 2007


Esta é a minha cidade. A cidade da minha infância, sempre cheia de luz, dos pregões matinais, dos ardinas, das vendedeiras de frutas e legumes que percorriam a cidade, dos páteos e quintalinhos e das ruas estreitas.

Nasci em Alcântara, na rua Maria Pia, precisamente nesses pedaços quadrados onde habitavam várias famílias, que se conheciam e se ajudavam na labuta diária naqueles dias cinzentos. Por esta altura das festas dos santos populares, esquecia-se as tristezas e dificuldades da vida, e com o páteo colorido de bandeirinhas e balões, saltava-se à fogueira, enquanto a miudagem pedia um tostãozinho pró S. António.

No Largo Prior do Crato, meu avô tinha um quiosque onde vendia tabacos, jornais e revistas e onde eu passava grandes momentos de magia a observar os eléctricos antigos, abertos nas laterais e de bancos de madeira apinhados de gente e o comboio de mercadorias proveniente do cais de Alcântara. Íamos almoçar numa taberna que dava ligação à Garagem Modelo, que ainda hoje existe, mas sem a algazarra dos operários que vinham das fábricas e das docas ali tomar a sua refeição.

Em frente está o rio. O tal Tejo que falam os cronistas, onde chegam e partem navios de transporte de mercadorias e de passageiros. E onde deslizava nas suas águas fragatas de vela ao vento com as gaivotas cruzando o céu de Lisboa.

[...]Mas já não há céu, céu e rio desapareceram por trás duma cortina de asas em desordem. E num momento assim, ternamente, confiadamente, qualquer amante de Lisboa se sente ainda mais ancorado à cidade que o está a ver partir. José Cardoso Pires.

Já não é esta a minha cidade nos tempos que correm. Passaram alguns anos, a cidade estendeu-se, com a chegada de imigrantes, e do regresso dos portugueses de África, o tecido social e os costumes alteraram-se profundamente. Eu diria que dramáticamente.

Num filme que recentemente foi exibido na RTP, precisamente com o título "Lisboetas", na cena final deste documentário, algures numa clínica, um casal de imigrantes russos esperam o nascimento do primeiro filho. Após o nascimento por indicação dos pais, a menina vai chamar-se Alexandra. Que poderia chamar-se Luísa ou Fátima! Luísa ou Fátima Kopriskaya. A seguir, o filme-documentário terminava apenas com a palavra FIM. Significativo.

Mas eu continuo a amar Lisboa, as suas ruas com os seus típicos empedrados, e as suas calçadas, os monumentos, os jardins, mas principalmente a sua luz e ainda mais o Tejo.

4 comentários:

Pascoalita disse...

Apesar de visivelmente renovada, nesta imagem, conseguiu captar aquela nossa Lisboa de outros tempos!

Não nasci na cidade, mas adoptei-a como "minha terra" aos 15 anos e é uma Lisboa limpa, calma, segura, que guardo na memória e que amo, a cidade da década de 70 e 80, não a moribunda Lisboa actual.
Doi ver o estado caótico de espaços, ruas e edifícios, mas o mais chocante é a degradação humana que a cada passo invevitavelmente observamos e a indiferença e desumanidade com que nos alheamos e a forma como, com maior ou menor dificuldade nos vamos acomodando.
Não, eu já não amo esta cidade! A minha lisboa está moribunda.
Lamento, mas a única coisa que me inspira é muita piedade.

Adrianna disse...

Olá :)

Olhem só que belesura de cidade!
Sem dúvida é Lisboa vista com os olhos duma alma apaixonada!
Amanhã tentarei descortinar essa beleza entre os escombros e os podres que a sufocam.

Ahlka disse...

Ás vezes, durante o fim de semana, ainda se consegue adivinhar aquela alma lisboeta em certos bairros.
Gosto de me perder naquelas ruelas e recordar... :)

Diabinha cusca disse...

Eu é que sou a diabinha, mas num sou maldizente!!!

Pois fiquem sabendo que estive atenta ao debate entre os novos candidatos a Presidente da Câmara e todos eles vão arranjar as fachadas dos edifícios, limpar ruas, remover "carcaças de automóveis", acabar com os "sem-abrigo", etc. etc.
Em breve voltaremos a ter a nossa Lisboa limpa como antes :)